jpg007Em 1997, Chico Xavier completou 70 anos de incessante atividade mediúnica, da maior significação espiritual, em prol da Humanidade, abrangendo seus mais diversos segmentos.

Francisco Cândido Xavier psicografou mais de 400 (quatrocentas) obras mediúnicas, de centenas de autores espirituais, abarcando os mais diversos e diferentes assuntos, entre poesias, romances, contos, crônicas, história geral e do Brasil, ciência, religião, filosofia, literatura infantil, etc.

Fiel ao princípio Crístico do “dai de graça o que de graça recebestes”, jamais usufruiu dos direitos autorais provenientes de seu extraordinário dom mediúnico, sempre, ao contrário, repassando-os, em cartório, à editoras de divulgação espírita e inúmeras obras assistenciais.

Chico Xavier partiu, mas o testemunho de sua existência permanecerá como diretriz segura para todos os que esposam os ideais espíritas e cristãos, sobretudo aos que, voluntariamente, se vêem comprometidos com a difícil tarefa do intercâmbio mediúnico.

Sua constrangedora humildade e seu desapego, dificilmente compreendidos até para muitos confrades, foi a mais notável e marcante exteriorização da grandiosidade de seu espírito.

Se por um lado Chico sempre afirmava receber da mediunidade com Jesus mais bênçãos do que espinhos, o pleno cumprimento de sua missão, no entanto, foi uma permanente aceitação resignada de dolorosos sofrimentos e privações, desde a mais tenra idade.

O médium de Pedro Leopoldo, desde muito jovem, sempre soube direcionar seus dons, cultivando-os para que frutificassem plenamente em favor dos aflitos e sofredores.

A verdade é que, depois de Allan Kardec, Chico Xavier sempre representou a árvore da revelação espírita, que foi transportada da França para o Brasil. Sua obra mediúnica sintetiza inestimável legado para as gerações futuras.

Como dignos missionários do mundo espiritual, Chico e Kardec se identificam em muitos pontos, sobretudo, na incomum capacidade de produção literária. Ambos deixaram uma vastíssima obra de inusitado conteúdo moral-cultural. É notável ainda a absoluta fidelidade aos compromissos espirituais assumidos bem como ao perfeito equilíbrio do tríplice aspecto doutrinário do espiritismo.

Outra particularidade entre os dois foi a de jamais se rebaixarem ao nível de seus opositores e inimigos gratuitos, mantendo-se sempre muito acima em dignidade e fraternidade. Fortalecidos na mais pura moral cristã deram seu testemunho de serviço incondicional à humanidade, acreditando verdadeiramente na força delicada e transformadora do bem que os motivava.

A grandeza de Chico, assim como a de Kardec, podem ser avaliadas claramente no testemunho explícito de suas vidas e suas obras, porque de boas árvores somente colhe-se bons frutos.

Ambos representam uma extraordinária referência para o redirecionamento espiritual do homem atormentado dos dias atuais. Personificam nítida concessão da misericórdia divina para o aclaramento das cogitações de nossas mentes e corações.

No triste palco do mundo, nesses últimos tempos, as vozes de Chico e Kardec foram as que ecoaram de forma mais despojada e cristalina o brado revitalizador do cristianismo, “em espírito e verdade”, tal como vislumbrara o divino Mestre.

Excertos do livro digital “Francisco Cândido Xavier – Traços bibliográficos”, publicado pela Federação Espírita Brasileira – FEB

Fonte: www.chicoxavieruberaba.com.br